CuriosidadeCiênciasComo escapar da loucura

Como escapar da loucura

Img Mobile - Como escapar da loucura
Img - Como escapar da loucura




Por: Wanderley Codo

É fato. O trabalho enlouquece. Mas o que fazer para não enlouquecer com o trabalho? Antes de responder a essa pergunta é preciso entender por que o trabalho pode levar a problemas de saúde mental. A resposta é curta: porque o trabalho nos causa muito prazer. A nossa vida é assim, a sexualidade enlouquece, as relações como pai e mãe enlouquecem. Tudo aquilo que é portador de muito prazer enlouquece.

Fácil de entender se atentarmos para o fato de que o prazer é um modo de continuar sendo. O que dá prazer a um animal, inclusive aos humanos, são as atividades que lhes permitem continuar sendo animais - comer, beber e fornicar. A loucura é fruto da impossibilidade de continuar sendo, o risco de ser eliminado.

Trabalho e linguagem são os dois modos que os humanos têm de continuar sendo humanos, ou seja, de gerar e gerir significados. Significar é humanecer. Por isso é prazerosa a lida com o verbo e o trabalho. Por isso são portadores da loucura.

O oposto do prazer é o sofrimento. A loucura é um modo perverso de se evitar o sofrimento. Assim, o histérico é histérico porque ama e o objeto de seu amor desaparece, ao invés de viver o luto e desviar sua energia afetiva para outro objeto, re-direciona a energia afetiva para si mesmo sob a forma de sofrimento. O exemplo é sucinto, mas basta para lançar luz sobre o que dizemos. Na busca por continuar sendo (a busca pelo prazer), somos impedidos e, com isso, sofremos, iludimos o sofrimento com o adoecimento mental.

O único prazer especificamente humano é significar, e significamos por meio do verbo e do trabalho. Outros prazeres sentimos, é claro, mas são os que os animais também sentem; como sexo, comer, beber, dormir. Impedir o homem de significar é levá-lo ao sofrimento, é aumentar o risco de doença mental.

Agora, fica claro por que o trabalho é prazeroso. Como portador do sofrimento, pode enlouquecer. Outra vez um exemplo: ao fazer uma mesa, o marceneiro preenche de significados o outro, a ele mesmo e ao mundo inteiro, imprime seu modo de ser ao planeta, se reconhece, é marceneiro porque opera como marceneiro. O operário de uma marcenaria, encarregado de bater um prego na madeira perde de vista o significado de seu trabalho, o gesto criativo se transforma em mero cansaço da repetição, tédio, enfim, sofrimento. Escapar desse sofrimento pode implicar problemas de saúde mental, como ocorre com a histeria em professores, a paranóia em digitadores, a depressão entre os bancários.

A resposta à pergunta desse artigo está embutida na compreensão que acumulamos sobre o trabalho, sumarizada rapidamente. Evitar a loucura no trabalho é evitar o trabalho que implica sofrimento. Evitar o sofrimento é recuperar o prazer que o trabalho porta, sua capacidade de significar para o mundo e para os homens.

Onde quer que o significado se aloje, ali estará uma chance de prazer, de onde quer que seja expulso, implicará sofrimento.

"Meu trabalho é importante para mim mesmo. Com ele me sinto útil, com ele minha vida ganha sentido."

"Meu trabalho é importante para os meus. Com ele, minha família se reconhece, se exerce."

Meu trabalho é importante para a sociedade. Com ele, os homens e mulheres vivem melhor."

"Meu trabalho transforma o mundo em que vivemos."

Todos os significados se tornam possíveis no trabalho, assim como o são para a linguagem. Por isso, as fontes de prazer são inesgotáveis quando se trabalha. Por isso também o sofrimento pode assumir tantas formas, a ponto de espantar o olhar menos atento.

- Esse trabalho é tão fácil, por que você não gosta?
- Por isso mesmo.

Ou então,
- Este trabalho exige tanto esforço, por que você gosta?
- Por isso mesmo.

A vida dos homens sempre foi assim. A diferença é que a Psicologia do trabalho descobriu, tardiamente é verdade, que o válido para a vida dos homens também vale para seu trabalho. Até porque trabalhar é o modo de os homens viverem.

O capitalismo, por meio principalmente do taylor-fordismo, transformou o trabalho em força de trabalho. A diferença entre coisa e outra é que a força de trabalho é o trabalho sem o seu significado. O gesto se transformou em tarefa. A missão de todos nós é a de recuperar o trabalho e afastar a força de trabalho. Dar sentido ao nosso suor.

O taylor-fordismo já provou que é ineficiente para o aumento da produtividade e da qualidade, abrindo espaço para outras formas de organizar o trabalho que permitem a expressão e a participação do trabalhador. Agora, sabemos também que é insalubre para a saúde mental de quem trabalha. Na medida em que expulsa do trabalho o que ele tem de humano, impede que cada um de nós se reconheça. Assim, afasta o homem do humano. Temos todos o direito de ser.

Wanderley Codo é Coordenador do Laboratório de Psicologia do Trabalho do Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília (UnB). Tem pós-doutorado na Universidade de Havana (Cuba) e na London School of Economics (Inglaterra) na área de Psicologia do Trabalho e Organizacional. É autor dos livros O trabalho enlouquece?, Saúde mental e trabalho: Leituras e Educação: carinho e trabalho. Todos eles editados pela Vozes.

Fonte: Portal da Universidade de Brasilia - www.unb.br

Fonte do texto:
http://www.portalfarmacia.com.br/farmacia/principal/conteudo.asp?id=174





Img - Como escapar da loucura
Comentários:

Curiosidades Relevantes

Nos siga

O site dos curiosos.

Curiosidades Diversas

Veja também

  • Peixe fica gripado?
  • Inicio da Ciência na Investigação de Crimes
  • Diferenças entre a bomba atômica e bomba de hidrogênio
  • Lemúria
  • Mansa Musa, o rei mais rico da Terra
  • Por que às vezes temos a sensação de cair quando estamos adormecendo?
  • Recesso Branco
  • Por que o homem não foi mais a lua?

Você Sabia?

A Casa Branca tem 13092 facas, garfos e colheres.