CuriosidadeCiênciasNova impressora 3D é capaz de produzir orelhas, músculos e tecidos ósseos

Nova impressora 3D é capaz de produzir orelhas, músculos e tecidos ósseos

Img Mobile - Nova impressora 3D é capaz de produzir orelhas, músculos e tecidos ósseos
Img - Nova impressora 3D é capaz de produzir orelhas, músculos e tecidos ósseos




Pela primeira vez, os cientistas conseguiram utilizar uma impressora 3D para produzir tecidos do corpo em tamanho natural, utilizando células vivas como matéria-prima. As estruturas são grandes o suficiente para substituírem partes reais do corpo humano.

De acordo com os especialistas, a nova impressora 3D pode fabricar tecido estável, em escala humana, imprimindo estruturas de tecidos e órgãos vivos para implantação cirúrgica. Um dos pesquisadores por trás da tecnologia é Anthony Atala, do Wake Forest Institute for Regenerative Medicine. Ele disse que a tecnologia pode ser aplicada em transplantes de confiança.

Um dos maiores obstáculos, porém, tem sido descobrir como manter essas células vivas através do processo de impressão e como construir estruturas que incorporem todas as funcionalidades e complexidades de órgãos humanos reais, como os vasos sanguíneos e as estruturas vasculares.

A equipe de pesquisadores por trás dessa tecnologia está estudando como superar isso através da combinação de células vivas extraídas de pacientes transplantados com tipos especiais de plásticos e géis, concebidos para imitar tecidos biológicos, músculos e cartilagens. Estes materiais oferecem a estrutura das partes do órgão impresso em 3D para que ele possa ser implantado cirurgicamente.

Os pesquisadores já demonstraram a tecnologia, fazendo estruturas como orelhas, ossos e músculos, utilizando células vivas extraídas de seres humanos, coelhos, camundongos e ratos. Eles ainda estão testando os implantes e os resultados têm sido positivos.

Duas semanas depois de os ratos receberam tecido muscular impresso em 3D, as células nervosas começaram a crescer, e em um ensaio de cinco meses, fragmentos do crânio implantados em ratos tinham formado um novo tecido ósseo.

Ainda é cedo para a tecnologia ser utilizada em seres humanos. É preciso que a equipe consiga provar que ela funciona, mas o estudo já parece bastante promissor. Adam Feinberg, engenheiro biomédico da Universidade de Carnegie Mellon, afirmou que a humanidade verá uma série de avanços emocionantes ao longo dos próximos dois anos.


Fonte: Science Alert. | Imagem: WFIRM





Img - Nova impressora 3D é capaz de produzir orelhas, músculos e tecidos ósseos
+ Sobre essa Curiosidade: Cirurgia Corpo Humano
Comentários:

Curiosidades Relevantes

  • Curiosidades sobre o corpo humano

    O corpo humano é uma incrível caixa de surpresas. Nosso organismo tem características fantásticas e inacreditáveis. Confira agora algumas curiosidades bem i...
    Leram 16185 Vezes

  • Quais são as maiores partes do corpo humano?

    O fêmur é o maior e mais volumoso osso do corpo humano, ele se localiza na coxa e é muito resistente, capaz de suportar uma pressão de 1230 Kg por centímetr...
    Leram 34010 Vezes

  • 38 Curiosidades sobre o Corpo Humano

    1. É verdade que não se consegue digerir o chiclete, mas se engolires um, ela não se cola ao estômago, por isso, não faz mal engoli-lo. 2. Ao lamber um s...
    Leram 369843 Vezes

  • Os 7 maiores mistérios do corpo humano

    Corpo Surpreendente Se você está procurando um grande mistério, olhe para o espelho mais próximo de você. Você pode até pensar que os cientistas já tenham ...
    Leram 64590 Vezes

Nos siga

O site dos curiosos.

Curiosidades Diversas

Veja também

  • A Ilha Desaparecida de Atlântida
  • O Apocalipse está próximo? Dez grandes ameaças que poderiam destruir a vida na Terra
  • Melhores presentes de natal
  • A verdade sobre a base subaquática alienígena em Malibu
  • Por que a pele enruga após banho prolongado?
  • Como parar um asteróide (Programa Armageddon da Rússia)
  • Top 10 presentes mais apreciados por adolescentes
  • O Primeiro Vôo do Homem

Você Sabia?

A pele humana é renovada 1.000 vezes ao longo da vida.