CuriosidadeInvençõesQuem inventou o vestibular?

Quem inventou o vestibular?

Img Mobile - Quem inventou o vestibular?
Img - Quem inventou o vestibular?




Conheça a história do exame que gera inflamados protestos dos alunos
Matar, torturar, socar. Essas são algumas das ações que os vestibulandos se prontificaram a fazer com o ministro da Justiça e Negócios Interiores, de 1910 a 1913, Rivadávia da Cunha Corrêa.
E o que esse senhor fez para merecer tamanha violência? Nada. Só foi ele quem instituiu o uso de concurso vestibular em todo o país para o ingresso no ensino superior.
A decisão foi tomada em 1911, diante da crescente demanda e o praticamente estável número de vagas no ensino superior.
Até então só cursava o terceiro grau quem tivesse estudado no colégio D. Pedro 2º, do Rio de Janeiro, ou em colégios certificados por inspetores federais como do mesmo nível.
No princípio, os exames eram escritos e orais sobre línguas e ciências. Cada escola fazia a sua própria prova. Não havia um exame unificado por instituição.

Incompatível
Mudanças mais significativas foram acontecer somente na década de 70. Antes disso, de acordo com o vice-diretor da Fuvest (Fundação Universitária para o Vestibular), José Atílio Vanin, os exames cobravam conhecimentos compatíveis apenas com o primeiro ano da faculdade.
"A prova abordava questões de matemática, física, química, redação e uma língua estrangeira. A extensão de conhecimento era menor, mas era mais aprofundado que hoje", compara.
Vanin afirma que, em razão disso, era quase impossível ser aprovado no vestibular ao sair do ensino médio, o que proliferou a criação dos cursinhos.
Nos anos 60 surgiram os primeiros vestibulares unificados, como o Cecem, que reunia faculdades de medicina e posteriormente de biológicas e saúde, e o Cecea, com escolas de administração, direito e humanas em geral.
Outra dificuldade (para que ninguém diga que hoje é muito pior, se bem que mais estressante) era que as instituições federais realizavam os exames na mesma data, o que impedia as migrações interestaduais.
Com a criação da Comissão Nacional do Vestibular Unificado, na década de 70, para regulamentar a seleção, isso acabou.
O conteúdo dos exames teve de se restringir às disciplinas do ensino médio, o que, teoricamente, terminaria com a necessidade dos cursinhos. Resolução que, hoje se sabe, não funcionou.
A Fuvest só foi surgir em 1976, selecionando no mesmo exame candidatos à USP (Universidade de São Paulo), à Unesp (Universidade Estadual Paulista) e à Unicamp (Universidade Estadual de Campinas). O primeiro divórcio foi da Unesp, em 83. A Unicamp saiu em 85.

Mas por quê?
Os vestibulandos de hoje, que enfrentam maratonas de provas e uma competição que às vezes supera os cem candidatos por vaga, até entendem a necessidade de algum tipo de processo, mas não se conformam com o vestibular.
"Tudo bem, era necessário fazer alguma coisa, mas podia ser um processo mais ameno", reclama Charlene Bertão Costa, 18, que vai prestar medicina.
"Se eu encontrasse esse cara (o ministro), matava, faria dele o alvo de toda a minha raiva", brinca. Mais calma, ela questiona: "Eu só queria saber por que ele resolveu fazer isso".
Menos revoltado, o candidato a administração Caio Napoli Galvão, 17, diz que não acha o sistema ruim, mas faz críticas. "Com o vestibular você acaba decidindo o seu futuro em dois ou três dias."
A também candidata a uma vaga em medicina Alice Bei, 17, avisa que se conhecesse Corrêa, faria ele provar do próprio veneno. "Convidaria ele para prestar um vestibular bem difícil para ele ver se é bom."
Em 1996, a nova LDB (Lei de Diretrizes e Bases) estabeleceu que as instituições de ensino superior são livres para decidir o processo de seleção que querem usar. Mesmo assim, aos 88 anos, o vestibular continua firme e forte.





Img - Quem inventou o vestibular?
+ Sobre essa Curiosidade: Faculdade Vestibular Estudo Escola Carreira
Comentários:

Curiosidades Relevantes