CuriosidadeCiênciasUm extremo aquecimento global pode ter sido o maior evento de extinção em massa

Um extremo aquecimento global pode ter sido o maior evento de extinção em massa

Img Mobile - Um extremo aquecimento global pode ter sido o maior evento de extinção em massa
Img - Um extremo aquecimento global pode ter sido o maior evento de extinção em massa




Águas oceânicas com uma superfície febrilmente quente chegando a mais de 104 graus Fahrenheit (ou 40 graus Celsius) podem ter ajudado a causar a maior extinção em massa na história da Terra, segundo os pesquisadores.

"Podemos ter vivido a época mais quente que o mundo já teve", diz o pesquisador Paul Wignall, geólogo da Universidade de Leeds, na Inglaterra.

A extinção em massa aconteceu no fim da Era do Permiano há cerca de 250 milhões de anos atrás. O cataclismo matou 95 por cento das espécies do planeta. Um fator chave por trás deste desastre provavelmente foi uma atividade vulcânica catastrófica que aconteceu na região onde hoje é a Sibéria. São estimadas que foram lançadas cerca de 2.700.000 de milhas quadradas (cerca de 7 milhões de quilômetros quadrados) de lava, numa área quase tão grande como a Austrália. Estas erupções podem ter liberado gases que prejudicaram a camada de ozônio.

Após a extinção em massa do fim do Permiano veio um tempo "chamado" de zona morta, disse Wignall. "É um período de 5 milhões de anos, onde não há recuperação, onde há uma diversidade muito baixa de vida."

A zona morta, aparentemente, também sofreu um grave caso de aquecimento global. Para descobrir, os cientistas analisaram fósseis datados de 253 a 245 milhões de anos atrás, pouco antes e depois da extinção em massa.


Desvendando um mistério isótopo
Os pesquisadores se concentraram em isótopos atômicos ou variantes de oxigênio encontrados dentro destes fósseis. Todos os isótopos de oxigênio tem oito prótons em seu núcleo atômico, mas diferem no número de nêutrons - que possuem 16 átomos de oxigênio e oito nêutrons, enquanto o oxigênio-18 tem 10 nêutrons.

Como criaturas marinhas formam conchas, ossos e dentes, eles tendem a usar isótopos mais leves de oxigênio sob condições mais quentes, disse Wignall. "Você ainda pode ver isso hoje quando se olha para as criaturas modernas do mar. Os rácios de isótopos de oxigênio em suas conchas são inteiramente controladas pela temperatura”.

Os pesquisadores analisaram estranhas criaturas conhecidas como conodontes, que são lembrados principalmente por suas peças bucais elaboradas. Os fósseis vieram da Bacia Nanpanjiang, no sul da China, ajudando a reconstruir como as temperaturas eram ao redor do equador, no final do Permiano.

Diferentes grupos de conodontes lançaram luz sobre como as temperaturas estavam em diferentes profundidades. "Tivemos que passar por várias toneladas de pedra para olhar fósseis minúsculos", disse Wignall. "As pessoas sempre pensaram que as extinções do fim do Permiano estavam relacionadas ao aumento da temperatura, mas nunca se mediu a temperatura. Nosso trabalho envolveu muitos detalhes de microfósseis."


Caso extremo de aquecimento
Os frutos desse trabalho? "Nós temos um caso de aquecimento global extremo, o mais extremo jamais visto nos últimos 600 milhões de anos”, disse Wignall. "Nós pensamos que a principal razão para a zona morta após o fim do Permiano era um planeta muito quente, especialmente nas partes equatoriais do mundo".

A parte superior do oceano pode ter atingido cerca de 100 graus F (38 graus C), e as temperaturas da superfície do mar podem ter excedido 104 graus Fahrenheit (40 graus C). Para comparação, hoje média anual da temperatura da superfície do mar em torno do equador fica entre 77 e 86 graus F (25 a 30 graus C).

"A fotossíntese começa a fechar em cerca de 35 º C, e muitas vezes as plantas começam a morrer em temperaturas acima de 40 º C", disse Wignall. "Isso explicaria por que não há registro fóssil de plantas no fim da Era do Permiano. Também não há registro de pântanos de turfa, que formam o carvão. Esta foi uma extinção enorme e devastadora”.

Sem as plantas para absorver o dióxido de carbono, mais desse gás fica retido na atmosfera, elevando ainda mais as temperaturas. "Há outras maneiras de reduzir o dióxido de carbono da atmosfera, mas o planeta perdeu uma forma essencial, as plantas, durante milhões de anos", disse Wignall.

Estas temperaturas quentes podem explicar por que as regiões perto do Equador foram quase desabitadas. Quase todos os peixes e répteis marinhos foram levados para latitudes mais altas.

"Estou certo de que haverá questões sobre as temperaturas da superfície do mar que ainda teremos que descobrir", disse Wignall. "Mas acho que essas temperaturas extremas explicariam bastante os fósseis que hoje encontramos, tanto da vida animal, como da vegetal”.

“Estes resultados mostram que o aquecimento global pode causar extinções. Ainda assim, embora o mundo esteja se aquecendo, não vamos chegar nem perto do nível visto após o fim do Permiano”, afirma Wignall."Precisamos nos preocupar com o aquecimento global, mas não vamos chegar a esta fase”.

Os cientistas detalharam suas descobertas na edição de 19 de outubro da revista Science.


Fonte: Live Science





Img - Um extremo aquecimento global pode ter sido o maior evento de extinção em massa
+ Sobre essa Curiosidade: Aquecimento Global Extinção
Comentários:

Curiosidades Relevantes