CuriosidadeTecnologiaNova tecnologia transforma calor em eletricidade

Nova tecnologia transforma calor em eletricidade

Img Mobile - Nova tecnologia transforma calor em eletricidade

A crise energética é uma das maiores preocupações da atualidade. Com o crescimento populacional atingindo picos altíssimos, aumenta também a demanda por fontes de energia limpa que exerçam pouco ou nenhum impacto negativo sobre o meio ambiente.

Os motores à combustão são os principais vilões, pois apresentam um alto índice de desperdício de energia. Para facilitar o entendimento, imagine o calor produzido pelo motor do seu automóvel, agora pense que todos os motores do mundo (carros, aviões, trens) também produzem calor e que esse calor é uma energia que simplesmente se esvai.

Não seria perfeito se toda essa energia pudesse ser captada e redirecionada?

Foi exatamente isso que a equipe de pesquisadores da Universidade de Northwestern (Evanston, Estados Unidos) fez. Eles desenvolveram uma técnica capaz de transformar cerca de 15% do calor residual, em eletricidade útil.

A base dessa tecnologia é a utilização de nanoestruturas que apresentam em sua composição um semicondutor conhecido como telúrio de chumbo. A técnica foi experimentada pela primeira vez nas missões lunares Apollo, quando foram usadas fontes de energia termoelétrica renovável.

Indústrias automotivas, refinarias e usinas de carvão e gás serão os principais focos de implantação dessa nova tecnologia.

Crédito da imagem: Mercouri Kanatzidis / Northwestern University



+ Sobre essa Curiosidade: Eletricidade

O site dos curiosos.

Veja também

  • O Grande Combate
  • Vida no Sistema Solar
  • O que as mulheres querem e valorizam em um pênis?
  • Conheça mais o Louva-a-deus
  • Bombeiro não sabe como conseguiu, de esqui, sair de Nova York e chegar à Califórnia, trajeto com 4.000 quilômetros de distância
  • Asteróide 2000 EM26
  • 20 comidas estranhas para comer antes de morrer
  • Chimpanzé russo desenvolve vício em bebida alcoólica e tabaco

Você Sabia?

Dos estados americanos, o Alasca ganha em número de empregados que vão ao trabalho a pé.