CuriosidadeInvençõesA Origem dos Palitos de Fósforos

A Origem dos Palitos de Fósforos

Img Mobile - A Origem dos Palitos de Fósforos

Os chineses utilizavam "pauzinhos de fogo" no ano 1000.

Mas foi em 1669 que o alquimista alemão Hennig Brandt descobriu acidentalmente o elemento fósforo ("o que traz a luz", em grego) numa das suas tentativas de transformar metais em ouro.

A descoberta chegou ao conhecimento do físico inglês Robert Boyle (1627-1691), que inventou, 11 anos mais tarde, uma folha de papel áspero coberta de fósforo, acompanhada de uma varinha com enxofre numa das pontas.

O invento, no entanto, era apenas uma curiosidade muito cara.

Somente em 1826 o químico inglês John Walker apresentou os palitos de fósforo, então com 8 centímetros de comprimento.

Na verdade, ele estava a usar um palito para misturar potássio e antimónio, que se incendiou quando foi raspado ao chão de pedra.

O perigo era que os palitos costumavam incendiar-se sozinhos dentro da embalagem.

Esse problema seria resolvido somente em 1855, com o surgimento do fósforo de segurança, criado pelo sueco Johan Edvard Lundstrom.

Nele, os ingredientes inflamáveis foram separados em dois: parte na cabeça do palito, parte do lado de fora da caixa, juntamente com o material abrasivo.

A primeira caixinha de fósforos foi patenteada pelo advogado americano Joshua Pusey, em 1892, e produzida por uma empresa de Ohio 4 anos depois.

Fonte: http://www.pernambuco.com/



+ Sobre essa Curiosidade: Fogo Calor Pauzinhos de fogo

O site dos curiosos.

Curiosidades Diversas

Veja também

  • Estudo indica os principais mitos das dietas
  • Quais foram os furacões mais devastadores da história?
  • Qual é a maior ilha do mundo?
  • Top 10 carros mais caros do mundo em 2017
  • Homens podem se sentir ameaçados por chefes do sexo feminino
  • Pequena alteração nos genes poderá revelar o dia e a hora em que uma pessoa morreu
  • Por que cortam o rabo do cães?
  • Palavras polêmicas que a FIFA registrou na INPI

Você Sabia?

Dos estados americanos, o Alasca ganha em número de empregados que vão ao trabalho a pé.