Ciências

O incrível caso de uma mulher que sobreviveu após ser congelada por 6 horas

No Brasil, não costumamos lidar com invernos tão rigorosos ao ponto de se registrar neve – embora algumas exceções sejam registradas de tempos em tempos, como neste ano. Ainda assim, em toda estação, todos os anos, nos deparamos com notícias trágicas e lamentáveis de pessoas morrendo literalmente de frio.

Muitas dessas mortes acabam acontecendo porque o corpo humano não foi feito para baixas temperaturas. O que acontece, muitas vezes, nesse tipo de situação é a chamada parada cardíaca. Mas e quando uma pessoa é literalmente congelada? O que acontece nesse tipo de situação? Será que é possível sobreviver?

Jean Hilliard é um nome que boa parte dos estudantes de medicina acabam conhecendo, principalmente em países com baixas temperaturas e presença de neve. Isso porque Jean sobreviveu mesmo depois de passar 6 horas congelada, deitada em meio a neve durante um inverno rigoroso.

Caso histórico

Foi em 20 de dezembro, de 1980, que Jean estava se dirigindo a casa de um amigo quando sofreu um acidente de carro. No meio da noite, com baixa visibilidade e convencida de que estava perto da casa de Wally Nelson,  Jean saiu do carro e começou a caminhar em direção a casa de Nelson. No entanto, ao contrário do que ela pensava, a distância não era tão pequena assim.

PUBLICIDADE

Mesmo agasalhada e se movimentando, a poucos metros da casa de Nelson, ela finalmente cedeu e caiu no chão, desacordada. Jean passou o restante da noite ali, deitada no chão, coberta de neve. Foi apenas na manhã do dia seguinte que Nelson percebeu sua presença. Desesperado, ele saiu em busca de ajuda para a amiga. Quando tentava colocar Jean no carro, ele percebeu que Jean estava com o corpo duro. Para conseguir coloca-la no carro, ele precisou abrir o porta-malas e coloca-la na diagonal.

Chegando ao hospital, o estado de Jean também impressionou os médicos. Segundo os profissionais descreveram na época, Jean estava tão congelada que era impossível acessar sua veia, já que a agulha não era capaz de penetrar em sua pele. “O corpo estava frio, completamente sólido, como um pedaço de carne em um congelamento profundo”, declarou o doutor George Sather na época, ao The New York Times.

PUBLICIDADE

Sem muita confiança em sua recuperação, os médicos usaram uma técnica de aquecimento para tentar descongela-la. Felizmente, a técnica deu certo e Jean foi recuperando a consciência aos poucos. Já consciente, e sem entender muito bem o que havia acontecido, Jean começou a se lamentar com medo do que seu pai faria ao descobrir que ela havia quebrado o carro.

Mas como isso é possível?

Por mais impressionante que tenham sido os relatos de todas as testemunhas, é possível que Jean não tenha sido tão congelada quanto aponta a memória dos envolvidos.  Isso porque, segundo especialistas, quando as células estão literalmente congeladas, elas ficam danificadas e muitas vezes são totalmente destruídas por um estágio em que “cristalizam como gelo”. O doutor Dr. K. Alvin Merendino explicou, ao Herald-Journal, que tentar descongelar o corpo humano nesse estágio seria inútil, porque seria como “uma grande massa de nada”.

Jean sobreviveu graças a uma habilidade do corpo de designar calor para os órgãos vitais, em detrimento das extremidades. Isto é, seu corpo sacrificou o calor dos braços, pernas e outras extremidades, para garantir calor ao cérebro, coração e demais órgãos vitais. O processo é muito similar ao que acontece em casos de hipotermia.

Sobre o Autor

Roberta M.

Gosto de escrever sobre diversos assuntos, principalmente curiosidades e tecnologia. Contato: [email protected]