Os Efeitos de uma Explosão Nuclear

Os Efeitos de uma Explosão Nuclear
Por Juliana Miranda

Os efeitos de uma explosão nuclear dependem diretamente da capacidade de destruição da bomba utilizada. Em Hiroshima, por exemplo, a explosão ocorrida em 1945 usou uma bomba nuclear que tinha cerca de 15 quilotons, ou 15 mil toneladas de dinamite.

Já as bombas de hidrogênio modernas podem chegar a uma potência de aproximadamente 50 megatons, ou 50 milhões de toneladas de dinamite, e causam estragos ainda mais devastadores. Durante uma explosão nuclear, a destruição acontece de forma generalizada.

Na chamada região de Blast, zona de maior destruição da bomba, no hipocentro da explosão, o primeiro efeito é o surgimento de uma bola de fogo. Nessa área, todas as pessoas e animais morrem imediatamente por causa do calor e da radiação.

Bomba Atômica
Bomba Atômica

Outro efeito imediato é a geração da radiação térmica, que provoca queimaduras e incêndios, levando os sobreviventes da explosão à morte por carbonização. Depois da explosão nuclear, a região afetada fica sob o efeito da radiação por muitos anos, e as pessoas que têm contato com essa radiação podem desenvolver câncer e sofrer mutações genéticas, passando o problema para as futuras gerações e levando a deformações.

Bomba de Hidrogênio
Bomba de Hidrogênio

Saiba mais:
Bomba Atômica e Bomba de Hidrogênio

Outro efeito da explosão nuclear é a radiação residual, que são as cinzas nucleares que se espalham pela atmosfera. De uma forma geral, as explosões nucleares resultam em temperaturas altíssimas e danos extremos à natureza e à vida humana. Uma explosão nuclear em grande escala poderia, inclusive, significar o fim da vida na Terra.