Doenças do Egito Antigo

Segundo a história, o povo do Egito teria sofrido com dez pragas. De acordo com a tradição judaico-cristã, essas pragas teriam sido enviadas por Deus para que Israel fosse libertado do Egito.

Entre as pragas do Egito, podemos destacar a morte dos primogênitos de Faraó, as águas em sangue, os piolhos e a sarna. Deixando de lado o aspecto religioso e místico, é sabido que o povo do Egito sofreu muito com doenças. Estudos arqueológicos demonstraram que os egípcios não viviam em boas condições de saúde. A população do Egito passava fome, sofria de desnutrição e de outras dezenas de doenças infecciosas. Os índices de mortalidade infantil eram altíssimos.

A descoberta foi feita no projeto Qubbet el-Hawa, realizado pelas Universidades de Jaen e de Granada, na Espanha, e pela Suprema Corte de Antiguidades da República Árabe do Egito. Segundo o levantamento, a população do Egito viveu no limite da sobrevivência. A expectativa de vida era de, no máximo, 30 anos.

No Egito, os principais problemas de saúde eram a má nutrição e as desordens gastrointestinais severas decorrentes do consumo de água contaminada do Rio Nilo. As doenças do coração também já eram conhecidas no Egito há muitos anos. A arterioesclerose já atingia os egípcios em tempos remotos. Até os faraós sofriam da doença. Essa informação foi conhecida depois de estudos com múmias.

Segundo o Journal of the American Medical Association, as enfermidades cardiovasculares eram onipresentes em tempos antigos, principalmente na alta sociedade egípcia de vários milênios atrás.

Doenças do Egito Antigo

Curiosidades Relevantes

Leia Mais