CuriosidadeMundo BizarroElefantes e LSD - Bizarro

Elefantes e LSD - Bizarro

Img Mobile - Elefantes e LSD - Bizarro

O que acontece se você der LSD a um elefante? Numa sexta-feira, dia 3 de agosto de 1962, um grupo de pesquisadores de Oklahoma decidiu descobrir.

Warren Thomas, diretor do zoológico municipal, aplicou 297 miligramas de LSD em Tusko, o elefante. Dois outros cientistas, Louis Jolyon West e Chester M. Pierce, da faculdade de medicina da Universidade de Oklahoma, o acompanhavam.

A dose usada corresponde a 3 mil vezes a dose típica utilizada em seres humanos. É a maior dose de LSD jamais administrada a um ser vivo.

Posteriormente os cientistas explicaram que a experiência foi planejada para descobrir se o LSD induziria o elefante ao estado de musth (um frenesi temporário que alguns machos às vezes experimentam durante o qual se tornam extremamente agressivos e secretam uma substancia de odor desagradável pelas glândulas temporais). Alguns críticos, no entanto, alegam que não passou do desejo de satisfazer uma curiosidade doentia.

Seja lá qual foi a razão do experimento, ele não saiu como planejado. Tusko reagiu como se tivesse sido picado por uma abelha. Trombeteou por seu cercado por alguns minutos e então caiu de pernas para o ar. Horrorizados, os pesquisadores tentaram revivê-lo, mas cerca de uma hora depois o elefante estava morto. Os três cientistas concluíram constrangidos “Parece que elefantes são altamente sensíveis aos efeitos do LSD”.

Nos anos que se seguiram houve controvérsia acerca da causa da morte do animal. Alguns alegavam que não foi o LSD o causador do óbito, mas sim as drogas utilizadas para tentar reanimá-lo. Então, vinte anos depois, Ronald Siegel, da Universidade de Los Angeles, decidiu dar fim ao debate administrando a mesma dose de LSD a dois outros elefantes.

Ao invés de injetar o LSD, Siegel misturou a droga na água. Quando administrado dessa forma o LSD parece não ser fatal aos animais. Os elefantes não só sobreviveram como permaneceram calmos. Ficaram vagarosos, balançando para frente e para trás e emitiram ruídos estranhos parecidos com chios e trinados, mas em algumas horas já estavam de volta ao normal.

Entretanto, Siegel observou que a dosagem que Tusko recebeu pode ter excedido o limiar de toxicidade, de forma a ser impossível precisar a causa da sua morte.

A polêmica continua.



+ Sobre essa Curiosidade: droga elefantes Ronald Siegel abelha
Comentários:

Curiosidades Relevantes

  • Curiosidades sobre as Abelhas

    Diferenças entre abelha e vespa Embora seja um erro muito comum confundir esses dois tipos de insetos, é importante conhecer as diferenças entre abelha e...
    Leram 45255 Vezes

  • A dura rotina de uma abelha operária

    As abelhas operárias são disciplinadas, metódicas e ordeiras. Elas surgem de um ovo depositado pela abelha rainha em um dos tubos hexagonais que formam uma ...
    Leram 29019 Vezes

  • Quais os maiores elefantes brancos do Brasil?

    Popularmente, chamamos de “elefante branco” toda grande obra pública que tenha demandado grandes investimentos e que, por falta de planejamento, tenha se to...
    Leram 23750 Vezes

  • Quais as piores drogas que existem?

    As drogas, de uma maneira geral, são o grande problema da sociedade moderna. Muitos jovens e famílias se perdem por causa dos vícios. Todas as drogas são...
    Leram 34099 Vezes

  • Curiosidades sobre os Elefantes

    Os elefantes são os maiores animais terrestres da atualidade, chegando a pesar até 12 toneladas e medir, em média, 4 metros de altura. devido ao seu porte, ...
    Leram 60304 Vezes

Nos siga

O site dos curiosos.

Curiosidades Diversas

Veja também

  • Coisas pouco importantes e que poucos sabem...
  • Como é produzido o combustivel sólido dos foguetes espaciais?
  • O que é o Homem Vitruviano de da Vinci?
  • 40 momentos de fofura extrema dos Pugs
  • Lenda Urbana - Brincadeira do Copo
  • Curiosidades sobre o Brasil
  • Qual a parte mais limpa e a mais suja de nosso corpo?
  • Confira alguns fatos importantes sobre os Grãos Integrais

Você Sabia?

O único alimento que não apodrece é o mel.