Pessoas obesas são mais tristes que as magras?

Pessoas obesas são mais tristes que as magras?
Por Juliana Miranda

Pessoas obesas não são necessariamente mais tristes do que as pessoas magras, mas elas certamente sofrem mais situações de bullying e humilhações durante a vida. Uma pesquisa da University College London indicou que as pessoas acima do peso podem ficar mais tristes se emagrecerem. Por incrível que pareça, o processo de emagrecimento traz um grande sofrimento para os gordinhos, que são obrigados a abrir mão de comidas que gostam e de pequenos prazeres na alimentação.

O estudo publicado no Reino Unido comprovou que as dietas podem deixar muitas pessoas infelizes, correndo o risco de até entrar em depressão. Isso acontece porque a perda de peso não traz felicidade automática. Ao contrário, as pessoas que são obrigadas a emagrecer por questões de saúde, por exemplo, têm uma tendência a se sentirem tristes.

Vivemos hoje uma realidade na qual a indústria da publicidade aponta que precisamos ser magros para sermos felizes. Mas, às vezes, as pessoas compram essa ideia, fazem de tudo para emagrecer e acabam se decepcionando.

Ao mesmo tempo que a obesidade pode ter um potencial devastador para a autoestima das pessoas, a perda de peso também pode ser prejudicial. Por isso, todo processo de emagrecimento deve ser acompanhado por equipe multidisciplinar, com médicos, psicólogos, nutricionistas e educadores físicos.

Brigando com a balança


O preconceito com os gordinhos pode levar a problemas de saúde mental. O deboche e a exclusão são devastadores, e há também uma forte tendência à gordofobia na sociedade. Por esses motivos, muitas pessoas acima do peso vivem brigando com a balança para tentar emagrecer.

Mais do que a preocupação com a saúde física das pessoas gordas, a sociedade precisa começar a discutir os impactos emocionais das piadas sem graça e dos comentários invasivos e ofensivos. As pessoas acima do peso não são mais tristes do que as pessoas magras, mas enfrentam mais desafios e precisam ser emocionalmente mais fortes. Para isso, é fundamental manter a autoestima e a autoconfiança.