Animais

Por que essa empresa de tecnologia investiu em recriar cocô de cachorro

Empresas de tecnologia geralmente estão envolvidas em projetos que envolvem… tecnologia. Certo? A resposta é sim, mas alguns caminhos não são tão usuais assim. Acontece que alguns projetos podem envolver algumas necessidades não previstas. Não fez sentido ainda? Então calma, que tudo vai fazer sentido. A verdade é que você nunca vai ter visto de tudo na vida, não importa o quanto pense que sim.

Mas vamos aos fatos. Você conhece a empresa iRobot? Trata-se de uma empresa dos Estados Unidos, especializada em acessórios domésticos com inteligência artificial. O carro-chefe da empresa, por exemplo, são aqueles aspiradores de pó que se movem sozinhos pela casa, aspirando pó por horas a fio sem precisar de um humano a manipulando.

Esse acessório caiu no gosto de muitos consumidores e, especialmente nos Estados Unidos, pode ser visto em muitas casas. No Brasil, esse é um eletrodoméstico que ainda esta caindo nas graças dos consumidores. Mas fora do país, muitos consumidores já perceberam algumas das deficiências do produto.

PUBLICIDADE

Especialmente o produto da iRobot tem um defeito muito delicado, que incomoda muita gente: ele não reconhece cocô de cachorro. A empresa percebeu que a inteligência artificial do produto não percebe o que são as fezes. O resultado é que a máquina tenta limpar o coco, mas acaba tornando as coisas piores.

O ideal é que o aspirador reconheça o cocô como um obstáculo e o evite. No entanto, quando tenta limpar, ele acaba espalhando fezes para todos os lados, sujando a casa e também a máquina. Ou seja, resumindo as coisas, se o intuito do robôzinho era limpar… ele fazia exatamente o contrário. Para resolver o problema, a empresa foi criativa.

Cocô de mentirinha

A solução para o problema era “ensinar” ao robôzinho o que ele deve ou não tentar aspirar. Para fazer isso, a empresa descobriu que o melhor era recriar “cocôs” sintéticos e reprogramar o robô para não tentar limpa-los. Parece bobagem, mas o trabalho foi difícil viu? Para dar conta da missão, a empresa precisou da colaboração de dezenas de funcionários.

PUBLICIDADE

Acontece que os desenvolvedores do aspirador precisavam de muitas (muitas) imagens de coco de cachorro. Os responsáveis pelo projeto confirmaram que receberam milhares de fotos de cocô de cachorro e, dessa forma, recriaram cocô de milhares de formatos.

“Mandamos pessoas fotografarem e criarem modelos sintéticos de cocô. Não sei quantas dezenas de milhares de imagens de todas as formas e tamanhos diferentes foram necessárias, mas isso não é um código de demonstração, claramente”, confirmou Colin Angle, o CEO da empresa.

O resultado dessa empreitada parece ter sido bem-sucedida. A empresa lançou o Pet Owner Official Promise (POOP), um contrato firmado com compradores do novo modelo, o Roomba J7+. Segundo o contrato, o tutor de pet que adquirir o produto e tiver a casa destruída pelo cocô do cachorro por falha do robôzinho, vai ter direito de trocar o produto de forma gratuita.

Quem imaginaria que algo tão simples poderia gerar tantos transtornos, não é?  Mas parece que os fãs do robôzinho estão a salvo.

Sobre o Autor

Roberta M.

Gosto de escrever sobre diversos assuntos, principalmente curiosidades e tecnologia. Contato: [email protected]