Ciências

Se sujar não é bom para a saúde, diz pesquisa

Quando somos crianças, muitas coisas são ditas e acabam sendo armazenadas em nossa mente como verdades absolutas. No entanto, algumas dessas informações podem não ser tão verdadeiras assim. Na realidade, o que acontece é que muitas percepções populares podem levar a conclusões médicas que não são tão verdadeiras.

Um bom exemplo disso é a ideia de que criança tem que se sujar, que sujeira aumenta a imunidade ou auxilia na saúde de alguma forma. Essa ideia é muito popular e difundida, mas será que é realmente verdadeira? Uma nova pesquisa afirma que não, que não é bem assim.

TEORIA É UM POUCO MAIS COMPLICADA

Em 1980, o epidemiologista David Strachan trouxe a tese de que as crianças, especialmente na primeira infância, precisariam de contato com o meio-ambiente para desenvolver imunidade. A teoria logo acabou sendo resumida a simples ideia de que criança precisa se sujar. Assim, acabou-se criando a teoria popular de que crianças que passam mais tempo em contato com sujeira tem mais imunidade.

Crianças que crescem em sítio, fazenda ou interior, e passam mais tempo brincando e se sujando, logo foram alçadas a exemplo de saúde; em contraponto, crianças criadas em apartamentos e cidades com menos contato com “sujeira” passaram a ser vistas como crianças mais frágeis. No entanto, não é tão simples assim.

PUBLICIDADE

Um novo estudo publicado no Journal of Allergy and Clinical Immunology tenta sintetizar as falhas dessa teoria. O que acontece é que as crianças realmente precisam de exposição a micróbios, mas essa exposição não precisa ser maximizada. Isto é, os cuidados de higiene não devem simplesmente ser ignoradas porque “sujeira faz bem”. Muito pelo contrário, é importante haver cuidados de higiene sim.

O estudo é assinado por pesquisadores da University College London e da London School of Hygiene & Tropical Medicine e tenta elucidar essa controvérsia. Graham Rook, o principal autor do estudo, explica que a teoria de exposição é verdadeira, mas faz ressalvas.

PUBLICIDADE

“Por mais de 20 anos, houve uma narrativa pública de que as práticas de higiene doméstica e das mãos, essenciais para interromper a exposição a patógenos causadores de doenças, também estão bloqueando a exposição aos organismos benéficos”, afirmou.

Acontece que da mesma forma que existem micro-organismos importantes para o desenvolvimento saudável da imunidade, existem incontáveis deles que são nocivos ao organismo humano. Não existem evidências que demostrem que noções pobres de higiene favoreçam apenas o grupo de micro-organismos “bons”. Pelo contrário, quando se estimula uma criança a se sujar e não se preocupar com a higiene, você esta favorecendo os micróbios ruins.

O que o estudo acaba demostrando é que é importante haver equilíbrio. Você não precisa desinfetar todos os centímetros da casa todo dia; mas precisa prestar atenção principalmente nas superfícies mais usadas, nos alimentos e fazer uma boa manutenção da casa como um todo.

Da mesma forma, não é necessário tomar banho o tempo todo ou mergulhar em paranoias com medo da sujeira. Mas é fundamental lavar as mãos depois de ir ao banheiro e também antes de comer, assim como eventualmente ao longo do dia também. A ideia de que sujeira é bom é uma falácia, portanto.

Sobre o Autor

Roberta M.

Gosto de escrever sobre diversos assuntos, principalmente curiosidades e tecnologia. Contato: [email protected]