CuriosidadeMundo BizarroTudo sobre Aurora Boreal

Tudo sobre Aurora Boreal

Img Mobile - Tudo sobre Aurora Boreal

Aurora Boreal é um fenômeno mundialmente conhecido por ser bastante bonito de se observar. Existem muitas nomenclaturas bastante complicadas, e com isso, acaba-se encontrando explicações confusas a respeito do que realmente é esse fenômeno.

Trata-se de um fenômeno que ocorre em regiões polares do planeta, podendo ser visualizadas a olho nu ao final da tarde ou durante a noite, envolvendo muitas luzes coloridas e brilhantes. Isso acontece em decorrência do contato entre os ventos solares com o campo magnético da Terra. Em regiões próximas ao polo norte, é denominada aurora boreal, e quando acontece próxima ao polo sul, é denominada aurora austral, sendo em ambos os lugares mais comuns entre os meses de fevereiro e abril, e setembro e outubro.

O fenômeno pode ser visto na forma de pontos luminosos, ou ainda faixas horizontais ou circulares, mas sempre estarão alinhados ao campo magnético terrestre. Podem aparecer em várias cores ao mesmo tempo, ou ainda em colorações avermelhada, alaranjada, azulada, esverdeada e amarelada.

O fenômeno recebeu o nome de aurora boreal por Galileu Galilei em homenagem à deusa romana do amanhecer, chamada Aurora, e do deus grego que representava os ventos nortes, Bóreas.


O que causa a aurora boreal?



A aurora é causada basicamente por elétrons e prótons, assim como por partículas alfa. A luz é produzida por meio da colisão que estes sofrem com os átomos da atmosfera do planeta, principalmente de nitrogênio e hidrogênio que ocorrem normalmente em altitudes entre 80 e 150 km. As colisões emitem energias das partículas para o átomo atingido no processo de ionização, dissociação e excitação das partículas. É por meio da excitação que ocorre a emissão que faz com que os átomos, em estados instáveis, emitam luzes em frequências bastante específicas até que se estabilizem. Essa estabilidade é alcançada em aproximadamente um segundo, enquanto o nitrogênio passa a emitir luz instantaneamente. Nesse processo, forma-se a ionosfera terrestre, que pode ser comparada à formação da tela de televisão para a emissão de luz e transmissão das imagens.

Em outros planetas, a aurora parece ser originada a partir do vento solar, ou ainda das luas de júpiter, sendo formada por meio de correntes elétricas que são geradas pelo mecanismo de dínamo que é relativo ao movimento entre a rotação do planeta e a translação de sua lua.

Observando a Aurora Boreal


Estudo das auroras boreais



Os estudos envolvendo esse fenômeno são realizados desde o século XVII, sendo que Pierre Gassendi, astrônomo francês, descreveu o fenômeno observado ao sul da frança no ano de 1621. Ainda nesse ano, Galileu Galilei começou a estudar e investigar o fenômeno junto ao seu estudo relacionado aos movimentos dos astros celestes. Foi no século seguinte que James Cook, navegador inglês, observou o fenômeno a partir do Oceano Índico, ficando claro, então, que não se tratava de algo exclusivo do hemisfério norte da terra. Foi Edmond Halley, astrônomo britânico que, no mesmo período, deduziu que o campo magnético deveria estar relacionado ao fenômeno. A partir disso, no ano de 1741, Olof Hiorter e Anders Celsius noticiaram evidências relacionadas ao controle magnético durante auroras boreais. Em 1768, foi calculada a altitude do fenômeno por Henry Cavendish, mas somente mais de um século depois que Kristian Birkeland conseguiu reproduzir a aurora em um laboratório. No ano de 1900, o cientista propôs que o fenômeno poderia ser oriundo dos raios solares, que originariam os elétrons da aurora. Esse modelo, entretanto, apresentava alguns problemas em decorrência da falta de evidências no espaço. Foi, entretanto, no ano de 1972, que descobriu-se que a aurora e suas correntes de magnetismo associadas produziam ainda uma forte emissão de rádio, mas que esse fenômeno somente poderia ser observado do espaço.


A cultura popular e a aurora boreal



Segundo observadores populares, existem sons relacionados às imagens da aurora, mencionados, inclusive, pelo explorador dinamarquês Knud Rasmussen que descreveu, no ano de 1932, tradições folclóricas dos esquimós da Groenlândia. Ernest Hawkes, antropólogo canadense descreveu os mesmos sons no ano de 1916.

Diversas pessoas, nos dias de hoje, relatam a existência desses sons, mesmo que a reprodução deles por meio de gravações ainda não tenham sido publicadas. Além disso, existem questionamentos científicos que problematizam a existência de sons que sejam originados a partir de auroras e que possam ser ouvidos.


Melhores lugares para observar o fenômeno



Existem relatos impressionantes da observação da aurora boreal, e diante disso, acabou tornando-se um fenômeno desejado por inúmeros turistas, diante disso, foram criadas listas que relatam as melhores localidades para visualizar as auroras. Uma dessas listas, envolve cidades como Tromso, na Noruega, ou ainda Jokulsarlon, na Islândia. Outros lugares com visão perfeita para o fenômeno são algumas localidades da Finlândia, Yellowknife, no Canadá, a Ilha Stewart, na Nova Zelândia, e Ushuaia, na Argentina, que é, provavelmente, o único lugar da América do Sul onde as luzes podem ser vistas.



+ Sobre essa Curiosidade: Aurora Boreal Fenômeno natural Sistema Solar

O site dos curiosos.

Curiosidades Diversas

Veja também

  • Máquina de Anticítera
  • Como Funciona o Filtro Solar?
  • Síndrome Pulmonar por Hantavírus (HPS)
  • Como criar uma loja online?
  • A origem do Horóscopo
  • Mais Curiosidades sobre Animais
  • Mamute super preservado é encontrado por Russos
  • Origem dos cavalos domésticos

Você Sabia?

É impossível criar uma pasta com o nome “con” no Windows.