O que a ciência explica sobre a vida após a morte?

A ciência ainda apresenta muitos estudos e teorias incertas sobre a vida após a morte. Sabe-se que, em 1991, pesquisadores de Atlanta, nos Estados Unidos, realizaram uma experiência de quase morte por meio de uma cirurgia de aneurisma cerebral. A paciente foi mantida com morte cerebral por 45 minutos e, em seguida, foi ressuscitada. Ao acordar, ela descreveu coisas incríveis, como o fato de ter conseguido conversar com parentes mortos. Esse caso foi considerado marcante para a ciência por se tratar de uma experiência de quase morte e presença fora do corpo físico.

A explicação da ciência para esses fenômenos é que aproximadamente 18% das pessoas trazidas da morte dizem viver uma experiência fora do corpo, demonstrando que consciência e corpo físico existem separadamente. Já os pesquisadores da Universidade de Kentucky acreditam que esse tipo de experiência pode ser explicado como uma simples disfunção do sono.

A física também tem tentado buscar algumas explicações para a vida após a morte. Um professor de física da Universidade de Oregon, chamado Amit Goswami, acredita que a reencarnação é um fenômeno que deve ser investigado pela ciência. Segundo ele, existem dados que indicam a sobrevivência da consciência depois da morte.

Leia também: Ressuscitação de Moça Morta Há Sete Dias, Vida após a morte.

Para provar o fato, o pesquisador utiliza a física quântica. O cientista acredita que a consciência é a base de todo o ser e, por isso, é capaz de sobreviver à morte.



+ Sobre essa Curiosidade: Acredite se quiser Morte

O site dos curiosos.

Curiosidades Diversas

Veja também

  • Adesivos coloridos estão ajudando pessoas cegas a reconhecerem informações
  • Top 10 empresas quem mais pagam impostos no Brasil
  • O mar se abre diante da câmera
  • O que é Lethologica?
  • Cientistas encontram misteriosos crânios na Antártida
  • Por que arrotamos?
  • Imagens da NASA revelam ovnis decolando da Terra
  • A curiosa história de Joana d'Arc

Você Sabia?

Ficar acordado por 2 semanas pode levar à morte.