CuriosidadeMundo BizarroA batida do coração durante a morte

A batida do coração durante a morte

Img Mobile - A batida do coração durante a morte
Img - A batida do coração durante a morte




Em 31 de outubro de 1938, John Deering deu a última tragada em seu cigarro, sentou-se em uma cadeira e deixou que um guarda colocasse um capuz negro sobre sua cabeça e pregasse um alvo em seu peito. Em seguida o guarda prendeu eletrodos em seus pulsos.

Deering era voluntário em um experimento, o primeiro do gênero, no qual teria seus batimentos cardíacos gravados enquanto era fuzilado por um pelotão de execução. A idéia foi do médico da prisão, Dr. Stephen Besley, que achou que o condenado à morte poderia prestar um serviço à ciência em seus últimos segundos de vida.

O eletrocardiograma mostrou que, apesar da aparente calma, o coração de Deering batia muito acelerado com 120 batidas por minuto. Quando o xerife deu a ordem para que atirassem o coração de Deering subiu para 180 batidas por minuto. Quatro balas atravessaram seu peito, arremessando-o contra a cadeira. Uma dos projeteis perfurou o lado direito de seu coração. Por quatro segundos o órgão teve espasmos. Logo depois teve mais espasmos. Então o ritmo caiu gradualmente até que, 15.4 segundos após o primeiro tiro, parou.

No dia seguinte o Dr. Besley descreveu a experiência à imprensa: “Ele parecia calmo. Mas o eletrocardiograma mostrou que sua aparente placidez escondia as verdadeiras emoções dentro dele. Ele estava morto de medo”.





Img - A batida do coração durante a morte
+ Sobre essa Curiosidade: Dr. Besley eletrocardiograma
Comentários:

Curiosidades Relevantes

Nos siga

O site dos curiosos.

Curiosidades Diversas

Veja também

  • Qual seria sua idade em Júpiter...
  • Os 10 carros mais rápidos do mundo
  • Top 10 coisas impossíveis realizadas pelo Chuck Norris
  • A Invenção da Batata Chips
  • Quais os lugares mais mórbidos do mundo?
  • Como montar um enxoval
  • Efeito Coriolis
  • Curiosidades sobre o Choque Elétrico

Você Sabia?

Em um tempo de vida médio é possível afirmar que a pele humana é renovada mil vezes.