CuriosidadeMundo BizarroUniformes Armani: Sofisticação dos uniformes em escola pública de Tóquio causa revolta nos pais

Uniformes Armani: Sofisticação dos uniformes em escola pública de Tóquio causa revolta nos pais

Img Mobile - Uniformes Armani: Sofisticação dos uniformes em escola pública de Tóquio causa revolta nos pais

Uma escola pública de ensino fundamental da cidade de Tóquio, no Japão, está causando um reboliço nos pais justamente por causa do uniforme da escola. Situada no elegante distrito de Ginza, a escola decidiu adotar uniformes confeccionados pela famosa roupa de marca italiana Armani, fato que gerou descontentamento nos pais, pois os valores dos uniformes são considerados extremamente caros, impossibilitando as suas aquisições, afirmação feita pelo Conselho de Educação local.

O problema em questão é que os uniformes da escola Taimei Elementary School estão sendo vendidos por mais de 80.000 ienes, equivalentes a US$ 730. Nesse valor está incluso um chapéu e uma bolsa. Essa oferta foi aceita por um legislador do partido de oposição, numa sessão feita no mesmo dia.

Uniformes escolares da Armani
Uniformes Armani

Esses uniformes são vendidos sob encomenda. Eles são selecionados pela escola e os alunos não são obrigados a vesti-los, afirmou o conselho.

Segundo o conselho, o diretor da escola disse à diretora que gostaria de mudar o design do uniforme da escola para o próximo ano. O conselho instruiu a escola a decidir o assunto através de negociações com a PTA e com os pais dos alunos.

Taimei Elementary School
Taimei Elementary School

O curioso é que, após a escolha, cinco queixas foram feitas contra a decisão. Os pais afirmavam que não foram dadas explicações suficientes para a escolha da Armani como confeccionadora dos uniformes. Um ainda questionou: “Por que Armani?”.

Taimei Elementary School Fachada
Taimei Elementary School

Uma das explicações dadas pela escola ao conselho educacional foi de que: “No intuito de trazer sofisticação à escola, assim como é em Ginza, a escola foi ao redor das lojas de departamento e a Armani foi a que aceitou projetar os uniformes”.

Numa reunião realizada no Comitê de Orçamento da Câmara dos Deputados, o legislador da Festa e Esperança, Manabu Terada, levantou a questão, afirmando que, por ser uma escola de ensino fundamental pública, “é preciso ter bom senso e pensar em como os pais dos alunos poderão arcar com os valores que serão cobrados pelos uniformes”, em relação aos ganhos mensais dos pais dos alunos.

O ministro das Finanças, Taro Aso, respondeu: “Obviamente é caro. Seria grave se um aluno não pudesse pagar”.

O ministro da Educação, Yoshimasa Hayashi, disse que o ministério considera tomar medidas para que os encargos dos pais para comprar os uniformes não sejam excessivos.


Leia também:
Conheça as 7 marcas de roupas mais caras do mundo


Desde a sua criação, a escola é tomada por um ar de sofisticação, contando com presenças ilustres nos eventos que ela oferece. No site da escola, é possível ver que a Escola Primária Tamei no Chuo Ward de Tóquio foi criada em 1878 e contou com a presença do escritor japonês Tason Shimazaki.
“A decisão que eu tomei foi pensando no futuro da escola. Todas as críticas que estão sendo feitas eu as recebo humildemente, ainda aquelas em que afirmam que não foram dadas explicações suficientes. Vou procurar fazer uma declaração onde irei explicar, detalhadamente, o motivo pelo qual a Armani está sendo a responsável pela confecção dos uniformes para a nossa escola.”


Fontes: Japan Times, Independent, Kyodo News



+ Sobre essa Curiosidade: Roupa Japão Notícias Bizarras Escola
Comentários:

Curiosidades Relevantes

Nos siga

O site dos curiosos.

Curiosidades Diversas

Veja também

  • Mitos e verdades sobre depilação
  • Sexo também é cultura!!!!!
  • Mitos Sobre o Vácuo no Espaço
  • O que é estruminofobia?
  • Quantas vezes por dia você vai ao banheiro?
  • Curiosidades Animais
  • Robert Taylor: a história da primeira vítima de rapto alienígena na Escócia
  • O que não se pode comer durante a gravidez?

Você Sabia?

Dos estados americanos, o Alasca ganha em número de empregados que vão ao trabalho a pé.